Estamparia digital duplica de valor

A estamparia têxtil digital deverá duplicar o seu valor de mercado para quase 2,5 mil milhões de euros até 2021, abrindo novas oportunidades para as empresas que operam no setor.
Segundo o estudo “O futuro da estamparia têxtil digital até 2021”, da Smithers Pira, avaliou o mercado em 1,17 mil milhões de euros em 2016, com crescimento anual estimado em 12,3% entre 2016 e 2021. Isso resulta que o mercado vai mais do que duplicar de valor nos próximos cinco anos, atingindo 2,42 mil milhões de euros em 2021.
A análise da Smithers Pira destaca que isso vai levar a um aumento ainda mais rápido no volume de tecido estampado com equipamento a jato de tinta, algo em torno de 870 milhões de metros quadrados em 2016 para 1,95 mil milhões de metros quadrados em 2021 –, com uma taxa composta de crescimento anual de 17,5%.
Justin Hayward, autor do estudo afirma que as taxas de crescimento não podem ser sustentadas em longo prazo à medida que o mercado amadurece, mas há várias regiões com crescimento elevado. A estamparia digital criou uma revolução na indústria gráfica, e recentemente na de cerâmica, mostrando que é possível atingir uma penetração de mercado acima dos 70% em alguns anos, se houver uma paridade de custo extensiva e se as barreiras à mudança forem retiradas.
Em 2016, a quota de mercado dos processos digitais, para os têxteis foi 2,8%, mas essa porcentagem deverá aumentar em um segmento onde o crescimento médio é de apenas 3%. A maior aceleração no período em estudo acontecerá no vestuário, especificamente nos subsegmentos de moda, alta-costura e sportswear. A segunda taxa de crescimento mais elevada serão dos têxteis-la. Já os têxteis técnicos vão perder ligeiramente terreno, o que é indicativo da falta de visibilidade ou de foco nos mercados de nicho menores.
A rapidez apontada pelo estudo é uma prioridade cada vez maior, tendo em conta que o segmento de moda abrange múltiplas mini-estações e modelos para entrega com estampados à medida, o que se adapta à produção a jato de tinta, que tem tempos de preparação reduzidos. Além disso, é suportado e apóia a crescente disponibilidade de plataformas online para a estampagem.
A Smithers Pira ainda destaca que a dinâmica da indústria têxtil mundial esteja mudando e que a importância das economias asiáticas continua aumentando, embora haja também certo regresso da produção à Europa e à América do Norte para assegurar a qualidade em aplicações de elevado valor.

Fonte: Portugal Têxtil

Você pode gostar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *